Crates.... uteis ou uma prisão???

14/09/2020

As caixas transportadoras, crates ou boxes são, tal como o nome indica, ferramentas que podem ser utilizadas, acima de tudo, quando necessitamos de transportar os nossos amigos de quatro patas. No entanto, a sua utilidade e importância podem ir muito para além do transporte do seu amigo.

Por esse motivo, e também porque em muitos casos as caixas de transporte são vistas como prisões que obrigam o cão a ficar confinado num espaço apertado, neste artigo vamos desmistificar essa visão, mostrar diversos tipos de utilizações para as caixas de transporte, como as escolher e ainda como apresentá-la ao seu cão.

Os cães são animais que normalmente procuram locais mais pequenos e escondidos para se abrigarem, especialmente quando estão com medo. Por exemplo, os cães sensíveis aos ruídos fortes, como fogos-de-artifício ou tiros, aquando destes eventos procuram muitas vezes locais escuros e pequenos dentro das casas, como por exemplo debaixo das mesas ou cadeiras, entre outros Ou seja, muitas vezes procuram esconder-se em locais pequenos que lhes possam conferir alguma segurança. Por esse motivo, a caixa de transporte não seria de todo um local claustrofóbico para os cães.

No entanto, o processo de habituação à caixa transportadora deve ser feito de forma progressiva e respeitando os limites do cão para que este associe a caixa transportadora a um lugar seguro onde ele poderá descansar tranquilamente, independentemente do ambiente exterior.

Introdução à caixa transportadora:

Antes de começar a propriamente dita introdução à caixa de transporte é importante habituar o cão à sua presença. Por isso, a sugestão passa por começar por deixar a caixa de transporte num local frequentado pelo cão e deixar que este interaja com ela livremente. A caixa de transporte pode ficar com a entrada aberta para possibilitar, se ele assim desejar, a entrada e saída livre do cão sem qualquer interação humana. No caso de o cão se sentir assustado com a caixa, comece a recompensá-lo cada vez que este se aproxima da caixa, mesmo que seja por pouco tempo e vá aumentando depois o tempo que o cão se mantém próximo.

Vamos agora aos passos de introdução propriamente ditos:

  • Deixando a caixa transportadora aberta e sem a parte superior (nos casos em que isto é possível) posicione-se ao lado desta e com algo bastante apetecível para o seu cão, induza-o a entrar na caixa. Assim que este colocar uma pata dentro da caixa recompense-o. Vá aumentando progressivamente o critério, ou seja, com o tempo vá reforçando a entrada progressiva do cão com todas as patas dentro da caixa. Pode também atirar alguns petiscos para dentro da caixa para que o seu cão os vá buscar e dessa forma, entre na caixa de transporte.
  • Quando o passo anterior estiver consolidado, feche a parte superior da caixa e repita o processo.
  • Quando o entrar e sair da caixa de transporte já estiver bastante consolidado, comece a reforçar apenas o ficar sentado ou deitado na caixa. No inicio pode começar por dar o comando "senta" ou "deita" mas o objectivo é que depois o cão comece a realizar o comportamento completo, ou seja, entrar e sentar/deitar.
  • Quando o passo anterior estiver consolidado comece a reforçar a duração em que o cão fica sentado/deitado na caixa. Pode ir dando petiscos de x em x tempo para aumentar a duração. No caso de o cão se levantar não reforce. Mande voltar a sentar/deitar e recomece o processo. Nesta fase pode por exemplo utilizar KONGs recheados para o cão roer enquanto se encontra dentro da caixa.
  • Quando o passo anterior estiver consolidado, comece a fechar a grade da caixa de transporte. Este procedimento deve ser bastante gradual. Vá fechando a pouco e pouco e sempre a reforçar. Quando a grade estiver completamente fechada comece a reforçar o cão pelas grades. Numa primeira fase, recompense indiscriminadamente e comece mais tarde, quando o cão estiver mais acostumado à caixa a espaçar mais os reforços.
  • O próximo passo é começar a afastar-se. Como nos passos anteriores, este deve começar com distâncias bastante curtas e por curtos espaços de tempo e ir aumentando a distância e o tempo progressivamente sempre reforçando bastante.
  • O passo final é começar a retirar o reforço (com petisco) e passar apenas a algo mais simples, como umas caricias.

Aqui fica um pequeno vídeo com a descrição prática passo a passo de como pode fazer a introdução à caixa transportadora ao seu cão.

Assim sendo, e quando os amigos de quatro patas estiverem devidamente habituados à caixa de transporte, os donos podem dar diversos usos a essa ferramenta. Ora vejamos:

  • Transporte: a funcionalidade de transporte pode ir desde uma simples viagem de carro até uma grande viagem de avião. Em ambos os casos, mas sendo mais relevante no caso do transporte no avião, deve-se ter em conta o tamanho do cão e o local onde o cão vai ser transportado, porão ou cabine, podendo a escolha recair sobre uma caixa transportadora em tecido no caso do transporte em cabine ou em plástico rígido no caso do transporte no porão.
  • Ferramenta de treino: a funcionalidade de ferramenta de treino tem como objectivo transmitir algumas regras como por exemplo a delimitação de uma área, ou por exemplo o manter-se calmo enquanto espera pela sua vez de treinar.
  • Abrigo para descansar: este caso refere-se a uma utilização igual à que seria dada caso de ser uma casota para dormir ou uma caminha.

Requisitos mínimos para uma boa caixa de transporte:

Dimensões

  • Comprimento: no mínimo equivalente ao comprimento do cão desde a cauda até ao focinho (A) mais o comprimento da altura das patas (B) do cão.

Cmin=A+B

  • Largura: no mínimo o dobro da largura das costas (D) do cão.

Lmin=2xD

  • Altura: entre 2 e 5cm mais alta que a distância entre a cabeça e as patas (C) do cão.

Amin=C+2

Material

Existem diversas tipos de caixas de transporte, desde caixa usando tecido (muito utilizado em cães de porte pequeno) caixas de plástico (mais geral) e ainda em metal. Assim sendo, a escolha do material da caixa deve ter em conta o seu propósito e o cão a que se destinado.

Fixação

A caixa de transporte deve ser mantida fixa de forma a proporcionar um maior conforto ao cão. Para a utilização da caixa de transporte como meio de transporte, deve ser sempre colocada fixa, por exemplo com o cinto de segurança. O ideal é fixar a caixa de transporte para cachorro no cinto de segurança do carro ou prendê-la atrás dos bancos dianteiros. Para ser ainda mais segura, não deve ter rodinhas e a portinha deve ter tranca e grades.

Ter ainda em atenção

  • Ventilação;
  • Possibilidade de juntar gamelas de agua/comida

E lembrem-se:

As caixas de transporte devem ser sempre utilizadas de forma positiva e a sua introdução deve sempre ser feita de forma a criar uma associação positiva para o cão.